NOTÍCIAS


'Rivais' é tesão e tenacidade em forma de Zendaya e seus twinkies; g1 já viu



Estreia desta quinta-feira (25) coloca atriz em triângulo amoroso (e na corrida pelo Oscar). Luca Guadagnino, diretor de ‘Me chame pelo seu nome’, faz o melhor filme do ano. Falar que “Rivais” é o melhor filme do ano seria, de alguma forma, reducionista. O novo drama dirigido por Luca Guadagnino (“Me chame pelo seu nome”) é tesão e tenacidade em sua forma pura – traduzidos pelas formas torneadas de seu jovem triângulo amoroso, interpretado por Zendaya (“Euphoria”), Mike Faist (“Amor, sublime amor”) e Josh O’Connor (“The crown”). A estreia desta quinta-feira (25) nos cinemas brasileiros também é um filme de tênis. O melhor o melhor desde “Match Point” (2005). Mas vai muito além. Como em todos os seus precursores o esporte é uma metáfora, sim, mas o que o diferencia dos demais é que é, ao mesmo tempo, forma e mensagem, corpos e conteúdo. Há tempos não se via no cinema um tesão tão inextinguível, em um sentido que vai além do sexual. No filme, o desejo é sexual e é tenacidade e é obstinação – constantes e perpétuos. “Rivais” é o resultado da mistura certeira de um elenco no auge – Zendaya tem tudo para ganhar sua primeira indicação ao Oscar – e o olhar sensível de um diretor que sabe como elevar uma partida qualquer de um campeonato do clube de bairro em uma final de Grand Slam. Tudo funciona tão bem que até a trilha sonora de Trent Reznor e Atticus Ross (“A rede social”), formada basicamente por canções de um eurodance tão desenfreado que não tinha o menor direito de ser boa, se torna instantaneamente clássica. Assista ao trailer de ‘Rivais’ A grande sacada O roteiro de Justin Kuritzkes, dramaturgo que estreia no cinema, acompanha três jovens tenistas em dois momentos distintos. No primeiro, quando os dois jogadores (Faist e O’Connor) disputam a atenção da grande e obstinada promessa (Zendaya). O segundo, costurado na história de forma não linear, anos depois, com a ex-atleta afastada das quadras por causa de uma lesão e casada com um dos antigos pretendentes (e agora campeão renomado). Em outras mãos, uma sinopse dessas seria o suficiente para conseguir uma circulação pequena em festivais independentes – e garantir sua limitação a isso. A combinação do mundano com Guadagnino e Zendaya (além dos outros dois promissores talentos), no entanto, cria uma expectativa. Quando o trailer foi lançado, em 2023, muito se esperava da ideia da atriz com seus dois twinkies (um apelido da comunidade LGBTQIA+ para jovens bonitinhos e esbeltos e adotado com aptidão pelas redes sociais para a dupla). Ninguém poderia prever que o quarteto levaria tais perspectivas para outro nível com tamanha facilidade. Josh O’Connor e Zendaya em cena de ‘Rivais’ Divulgação Sob o olhar do cineasta, o triângulo amoroso forma uma tensão sexual daquelas que conseguiriam parar uma guerra, e que só não exaure o público por energizá-lo no processo. Seria possível dedicar mais incontáveis parágrafos ao dom que o cineasta já havia demontrado em “Me chame pelo seu nome” (2017) e que agora supera como se fosse um dia qualquer. Mas, em entrevista ao g1, a própria Zendaya classifica com perfeição: “Não sei se é como ele meio que foca nos personagens, ou nas atuações. Não sei se é a forma como ele posiciona a câmera, ou como ele escolhe se prolongar nos personagens por um tempo a mais. Seja lá o que for, acho que ele é brilhante em criar essa energia entre os personagens.” Partida perfeita Em “Rivais”, Guadagnino consegue uma partida perfeita. Tanto que é difícil estabelecer se o diretor é ajudado por sua equipe ou se é ele quem os eleva. O fato é que Zendaya, uma das maiores estrelas em ascensão em Hollywood, finalmente consegue o papel para mostrar que seu poder é derivado de algo além de seu imensurável carisma (e olhar para a moda). Josh O’Connor em cena de ‘Rivais’ Divulgação Apresentada inicialmente como um ser quase inatingível pela visão jovem e cheia de hormônio dos rapazes, a protagonista apresenta com o tempo uma obstinação mitológica mas extremamente humana. Difícil imaginar outra atriz da atual geração que poderia construir, em apenas duas horas, uma dicotomia tão grande entre ídolo e pessoa. Do outro lado, Faist e O’Connor se sustentam com dignidade e graça em oposição à força da natureza objeto de sua admiração – e, com mais de 30 anos, conseguem manter a ilusão de menores de idade durante boa parte da história. Mas não há prova maior do domínio de Guadagnino do que a costura entre montagem e a trilha sonora completamente sem freio de Reznor e Ross. Com um flerte alucinado com o que há de pior da música eletrônica europeia, as canções invadem o filme sem pedir licença e por diversos momentos se impõem sobre o drama. Na teoria, não há uma situação em que isso deveria funcionar. Em pouco tempo, “Rivais” faz disso um trunfo. Em paralelo com seus protagonistas, o filme aceita que, às vezes, só se pode aceitar as jogadas que a vida oferece – e fazer delas pelo menos um momento perfeito de tênis. Ou algo assim. Mike Faist e Zendaya em cena de ‘Rivais’ Divulgação

Fonte: G1


24/04/2024 – Rádio Contato Vistoria

COMPARTILHE

(18) 99664-6500

[email protected]
Rádio Contato Vistoria
A Melhor do Brasil