NOTÍCIAS


Diddy, DJ Ivis e Chris Brown: relembre músicos que bateram em mulher e saiba o que ocorreu depois



‘Assumo total responsabilidade por minhas ações naquele vídeo. Fiquei enojado quando fiz isso. Estou enojado agora’, disse o rapper Diddy, neste domingo (19). Diddy (à esq.), DJ Ivis (ao centro) e Chris Brown (à esq.) AFP/Reprodução/AFP O rapper e produtor musical Sean ‘Diddy’ Combs confessou neste domingo (19) ter agredido sua ex-namorada, a cantora Cassie Ventura. A declaração veio dias após a repercussão de um vídeo no qual ele aparece dando chutes na artista. “Assumo total responsabilidade por minhas ações naquele vídeo. Fiquei enojado quando fiz isso. Estou enojado agora”, disse ele em um comunicado publicado nas redes sociais. Exibida pela emissora americana CNN, a gravação foi feita pelas câmeras de segurança de um hotel. Segundo o canal de TV, o caso aconteceu em 5 de março de 2016. Em 2023, Cassie abriu um processo acusando o ex-namorado de estupro e abuso físico. Segundo ela, os crimes aconteceram durante mais de uma década. Ele negou as acusações. A lista de artistas com histórico de agressão a mulheres é extensa. Relembre a seguir alguns dos casos. DJ Ivis DJ Ivis segue trabalhando no cenário musical, mas com artistas de menos projeção. Instagram/ Reprodução Após emplacar hits como “Volta bebê, volta neném”, com DJ Guuga, e “Esquema preferido”, com Tarcísio do Acordeon, DJ Ivis virou alvo da Justiça. O músico foi preso em julho de 2021, após sua então esposa, Pamella Holanda, publicar nas redes uma série de vídeos que mostram ela sendo agredida por ele. Em uma das cenas divulgadas, Ivis bate em Pamella enquanto ela tenta pegar a filha bebê. O artista perdeu o contrato com a gravadora Sony e foi demitido da sua produtora. A Som Livre suspendeu a distribuição de seus lançamentos. As parcerias também foram canceladas e ele chegou a ter músicas excluídas das plataformas de áudio. “Estou me vendo hoje sozinho, tentando ser forte, mas não existe mais força. Estou passando aqui para dizer, para cada um de vocês, para você que é mãe, para você que é filha, para você que é pai: ‘Eu errei, assumo meu erro'”, disse ele, em um vídeo publicado nas redes, na época. DJ Ivis ficou preso por três meses e, ao sair, foi tentando retomar a carreira. Participou da gravação do DVD dos Barões da Pisadinha, teve música no DVD de Wesley Safadão e produziu uma faixa gravada por Gusttavo Lima em 2022. “Fala Mal de Mim” foi parar na lista das dez mais ouvidas do Spotify no Brasil. Mas ele fez tudo com muita discrição. Se antes o nome de Ivis aparecia estampado nas imagens promocionais das músicas e shows, agora o cenário é outro: ele virou uma espécie de participação fantasma. Chris Brown Chris Brown em imagem registrada em fevereiro de 2015 durante festa pré-Grammy, na Califórnia Jason Merritt / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP O músico Chirs Brown agrediu em 2009 a cantora Rihanna, sua então namorada. Além disso, é acusado de cometer violência contra outras mulheres. “Ela tentou me chutar, mas aí eu realmente acertei ela. Com o punho fechado, eu dei um soco, e isso rasgou o lábio dela. Quando eu vi, fiquei em choque. Pensei: ‘Merda, porque eu bati nela assim?'”, diz ele no documentário “Welcome to my Life”, lançado em 2017. Brown foi sentenciado a 180 dias de trabalho comunitário e a cinco anos de liberdade condicional. Porém, após violar a condicional, foi condenado a 131 dias de prisão. Ele deixou a cadeia em junho de 2014. Em 2016, o rapper foi detido por usar arma de fogo para ameaçar uma mulher, em Los Angeles, e liberado após pagar uma fiança de US$ 250 mil dólares. No ano seguinte, ele foi processado por incentivar e auxiliar o estupro de uma mulher durante uma festa na casa do artista. Em 2019, Brown foi detido em Paris por acusação de estupro, com uma queixa apresentada por uma mulher de 24 anos. Um amigo e o guarda-costas do cantor também foram detidos na ocasião. Dois anos depois, o cantor foi acusado de agressão por outra mulher, nos Estados Unidos. Até o momento, ele é declarado culpado apenas no caso de Rihanna. Nesta semana, o músico lançou o videoclipe “Go Girlfriend”. Em 2023, se dedicou ao lançamento do álbum “11:11”. Naldo O cantor Naldo em foto publicada no Instagram Reprodução/Instagram/Naldo Naldo foi condenado em 2018 por agredir a mulher, Ellen Cardoso, conhecida como Mulher Moranguinho. Na época, ela denunciou o cantor por socos, tapas, puxões de cabelo e um golpe com uma garrafa. Naldo foi condenado a quatro meses de detenção por ameaça e lesão corporal, mas a pena foi revertida para outras ações, como participar de um grupo reflexivo para homens. A Justiça também concedeu pra Ellen uma série de medidas protetivas. O artista teria que, por exemplo, manter distância de 100 metros da mulher, e não poderia ter contato com ela. Mas, em março de 2018, o caso teve uma reviravolta: os dois acabaram se reconciliando. Em entrevistas, Ellen disse que amava o marido e decidiu perdoá-lo, apesar do julgamento do público. Cinco anos depois, Naldo vive uma espécie de novo auge, com a música “Love Love” (parceria com Melody) na lista de mais ouvidas do Brasil. Na internet, o nome do cantor é quase sempre relacionado à música ou aos memes que brincam com histórias mirabolantes contadas por ele. Quase não se fala sobre o caso criminal. John Lennon John Lennon em foto de maio de 1971 AFP Dono do sucesso hippie “Imagine” beatle John Lennon teve um histórico de violência contra mulheres. Em 1980, ele admitiu ter batido em ex-parceiras. “Eu costumava ser cruel com a minha mulher”, disse o cantor, em entrevista à revista americana “Playboy”. “Eu era um cara que batia. Eu não conseguia me expressar e batia. Eu brigava com os homens e batia nas mulheres. É por isso que [hoje em dia] eu falo tanto de paz, entende?! As pessoas mais violentas são aquelas que acabam buscando a paz e o amor.” O músico não foi julgado em nenhum dos casos. Cynthia Powell, com quem John foi casado, comentou o assunto anos depois, em entrevista ao “The Sunday Times”. “Uma vez, Lennon se descontrolou ao me ver dançando com um colega, quando ainda estudávamos artes plásticas”, afirmou ela. Segundo Powell, o cantor lhe deu um soco no rosto ao esperá-la sair do banheiro. John foi assassinado a tiros em 1980, sendo lembrado como um dos maiores músicos da história. Ozzy Osbourne Ozzy Osbourne se apresenta no intervalo de um jogo de futebol americano nos EUA em 2021 John McCoy/AP Photo Frontman do Black Sabbath, Ozzy Osbourne enforcou sua esposa Sharon Osbourne no fim dos anos de 1980. “Não é exatamente uma das minhas maiores conquistas. Tudo que lembro é de acordar na prisão e perguntar ao policial: ‘Por que estou aqui?’ E ele disse: ‘Você quer que eu leia sua acusação? John Michael Osbourne, você foi preso por tentativa de homicídio'”, disse o músico em entrevista à revista “Weekend Magazine”. Segundo Sharon e Ozzy, ele estava sob efeito de drogas e tentou matá-la. O músico, apesar de confessar ter usado drogas, diz que não se lembra da agressão em si. Ainda assim, concorda com a versão da esposa, com quem ele reatou após ficarem separados por um período (hoje continuam casados). Na época da agressão, o cantor chegou a ser detido, mas foi solto pouco depois, sem passar por julgamento. No ano seguinte, lançou o disco o álbum “Just Say Ozzy”, ao lado de Geezer.

Fonte: G1


21/05/2024 – Rádio Contato Vistoria

COMPARTILHE

(18) 99664-6500

[email protected]
Rádio Contato Vistoria
A Melhor do Brasil